22 março 2013

Resenha: A Culpa é das Estrelas


Depois de ver tantas resenhas positivas tive que lê-lo. Pelo contrário do que as pessoas falaram, ele não é nada demais. Ganhou 2 estrelinhas minhas :x
Para mais detalhes,e claro, fotos, continue lendo!
A Culpa é das Estrelas

4.7
12345
9185 avaliações
A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas. Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar. 

Eu estava com uma expectativa enorme com o Culpa é das Estrelas. A capa é linda, só resenhas boas, e uma história interessante.

O seguinte: as pessoas idolatram esse livro. Tudo culpa do marketing. Começou a formar um conceito de que esse livro era o mais novo livro tocante do século 21, e que as pessoas iriam chorar muito, e guardar na estante como Livro Preferido. Então, muitos, ao ler, nem se importam com o livro em si, pensam "ah, o livro não é de todo ruim, e como todo mundo diz que é incrível VOU COMEÇAR A AMAR ELE".
O John Green é um cara que simplesmente tenta ser filosófico e divertido. Ou seja: traz toda hora teorias da relatividade e diálogos que tentam ser jogados para o lado da filosofia mas acabam por se tornar RIDÍCULOS. Para vocês terem noção, uma hora eles discutem o porquê de comer ovos mexidos no café da manhã. Tudo isso usando todas as maiores palavras do dicionário. Parece que o autor quis enrolar, para o livro não ficar tão curto. Isso sem contar suas piadas forçadas. Sim, teve horas que ri, mas outras que eu fiquei "isso foi uma tentativa de piada?"
O começo é bem apressado e logo Gus e Hazel se apaixonam. Crepúsculo feelings? Acho que sim. 
Primeiro: não sei se gostei da Hazel. Ela é um pouquinho insuportável na verdade. O Gus? Detesto ele. É simplesmente um cara que não existe. Aquilo não é um amor real. É uma coisa totalmente forçada e rápida. Eu gosto de casais complicados (Rony e Hermione, Chuck e Blair) então, para mim, foi insuportável o tanto que esses dois eram decididos e pareciam ter diálogos na ponta da língua. Irreal, eu diria.
Acho que, de verdade, não gostei de nenhum personagem. Achei eles chatos, muito metidos a filósofos e coisa e tal. Poxa, porque eles não podem conversar como uma pessoa normal?
Além de que as milésimas referências a Uma Aflição Imperial começam a irritar. Hazel, vá ler outro livro, amiga. Esquece esse autor mau-educado.
O autor. Outro cara insuportável.
Acho que a única parte que realmente gostei foi a da carta do Gus sobre a Hazel no final. Simplesmente acho que salvou o livro. Se Green não tivesse pensado naquilo, juro que eu jogava o livro na parede.
Para resumir: esse livro é superestimado. Modinha passageira sem nexo. Leia, pode ler. Esse livro não vai te traz reflexões. Só uma eterna pena e um desejo de receber uma carta dizendo coisas fofas do tipo da contra-capa. Só.
Se estiver procurando um livro com uma escrita natural E REALMENTE filosófica, procure O Apanhador no Campo de Centeio, Vantagens de ser Invisível ou Revolução dos Bichos. 
E não, eu não leria a lista de supermercado de Jonh Green.







Vocês já leram esse livro? Quero saber a opinião de outras pessoas! (:
xoxo, vickie


24 comentários:

  1. Será que só eu concordo com você em muitíssimas coisas ? O "pseudo-nerd" da questão nem me irritou tanto, mas sabe. A coisa toda do amorzinho dos dois, que é o foco geral e principal do livro, não me deu muito impacto. Eu já conhecia um filme que falava sobre câncer e tinha uma história paralela de amorzinho idêntica em vários parâmetros. Com os personagens não foi muito amor, mas não odiei também. Acho que é uma história razoável. Até bacana e tal. Mas nada demais. Chorar ? Chorei. Mas na parte da família :(( Estava entusiasmada com ele, e posso dizer que não supriu nem metade das minhas expectativas. Mas valeu a leitura ? Pra saber do que todos estavam falando e conhecer a escrita do John Green sim :)) Agora vamos dar uma chance pra Quem é você Alasca ~~ Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, acho que a parte mais tocante e verdadeira foi em relação "a família.
      Concordo com vc em tudo Midria, mas não vou ler outros livros dele nem a pau hahaha :p
      prefiro ficar aqui com a minha Christie ♥
      Bjs!

      Excluir
  2. To louco pra ler esse livro =)

    NOSSO CAPRICHO
    apsmass.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, passei para avisar que esta rolando um novo sorteio lá no novo blog.

    http://jczeferino.blogspot.com.br/2013/03/sorteio-do-audiolivro-nirvana-viagem-ao.html

    bjks... Bina

    ResponderExcluir
  4. Eu li, gostei, mais isso está virando meio falso, eu não acho que é o livro, são os leitores que estragam, tem muitas pessoas que não capitam nem metade das metáforas de John Green e essas coisas, então acho que eles falam de um modo falso, deixam as pessoas com muitas esperanças como se fosse o último filme do Harry Potter! Então acho que para mim não é o melhor livro do mundo, para mim é um livro divertido para sair um pouco da vida real e refletir seu dia a dia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho que pelo contrario, ele nos JOGA na vida real, e não nos tira dela. eu gosto de livros que fazem isso, mas o John Green é um péssimo escritor e as pessoas que avaliam esse livro como UAU, MELHOR LIVRO DO MUNDO, nunca leram algo REALMENTE profundo que nem 1984.
      São um bando de fãs do Nicholas Sparks, isso é fato.

      Bjs

      Excluir
    2. Ele mostrou como que é estar morrendo com Câncer sem estar morto. Isso é muito legal, pessoas com câncer principalmente leram esse livro. E a historia foi fantástica, só acho que aconteceu tudo meio que muito rápido.

      Excluir
  5. nunca li esse livro,nem tenho vontade,não faz meu estilo,digamos.mais se eu ganhasse ,ia ler;
    Plush Girl

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não leia mesmo Aline :p não vale a pena

      Excluir
  6. NÃO ACREDITO que você não gostou desse livro! É tipo o melhor livro que eu já li simplesmente porque não é uma daquelas histórias clichês idiotas sobre o câncer, e vou admitir que um garoto como o Gus não é nem um pouco real mas isso que torna bom porque é um LIVRO.
    Não achei nem um pouco ridículo e também não chorei nem uma vez, não é uma historinha de amor qualquer e os personagens não são "metidos a filósofos", tá certo que nenhum adolescente normal falaria essas coisas, mas um livro não precisa representar diretamente a realidade e eu achei absolutamente incrível porque o John Green não tem medo de escrever no estilo dele. Não gostei do livro porque é muito tocante, nem muito lindo, nem muito romântico nem nada. Gostei porque é inteligente, bem escrito, criativo, interessante e dá vontade de começar a ler e não parar lá. É simplesmente o melhor livro que eu já li e não é superestimado de jeito nenhum.
    Acho que talvez você não tenha gostado porque não é um livro leve, é mais profundo e provavelmente por isso não agrada a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso que eu acho! Não é romantico, nem lindo, nem nada, mas tb não é inteligente, nem bem escrito, nem criativo e nem interessante, Joana.
      EU AMO LIVROS PROFUNDOS! Mas o John Green não é um escritor profundo.
      Tente ler George Orwell e você vai RIR de culpa é das estrelas.
      Eu não sou aquelas idiotinhas que só gostam de livros leves não haha
      E acho que é superestimado porque olha o tanto de mimimi que a mídia faz com esse livro! Vendem como se fosse a bíblia, sendo que não é isso tudo.

      Espero que tenha entendido. O John Green NÃO é um escritor profundo. Escritores profundos são Agatha Christie, Dan Brown, até a J.K Rowling com o Morte Súbita. Tente ler algum livros desses gênios e depois compara com essa coisinha em que os editores ficaram RICOS. só pensa.

      Bjbj

      Excluir
    2. e outra: Culpa é das estrelas NUNCA é um livro profundo. A história da morte, da superação, e tal É profundo, mas ele não colocou o bastante para que nos tocasse, entende? As reflexões dele foram aleatorias e paralelas. Por exemplo, não conseguimos captar o sofrimento da Hazel.
      Sério, aquele livro NÃO é profundo de jeito nenhum Oo

      Excluir
    3. Sinceramente, não gosto de ficar comparando um livro com outro. São coisas totalmente diferentes e falar que "vendem como se fosse a Bíblia" na minha opinião é meio estranho, porque a Bíblia é um livro religioso e completamente diferente de qualquer ficção. Sobre os outros livros, na minha opinião cada livro é diferente e escrito por pessoas diferentes, que pensam diferente e tudo isso. Não aprovo nem um pouco que fiquem superestimando QUALQUER livro, e nesse ponto concordo com você.Não precisa sair falando tudo isso de um livro pra que seja bom, nem mesmo dizer que o John Green é um gênio, porque ele não é.
      Dizer que um livro é profundo não se baseia no quão pesado ele é, em como seus autores são prestigiados ou em quanta emoção eles conseguem passar através dos seus personagens. Pra voce talvez seja (e eu respeito totalmente, pois sei que cada um tem um jeito diferente de ler). Para mim um livro profundo é o que contém mais do que está aparente na superfície, mesmo que pareça bobinho ou melancólico. Pra mim A Culpa é nas Estrelas é profundo não por se tratar de câncer, ou morte, ou superação, e sim porque tem mais significado do que está aparente. Eu também não sou nenhuma crítica literária e não tenho nenhuma intenção de agredir você, portanto minhas opiniões podem estar totalmente erradas. Bj

      Excluir
    4. Falou tudo Joana! Amei seu comentárioo

      Excluir
    5. Leiam a Bíblia esse livro sim vocês vão gostar . Bj

      Excluir
    6. Leiam a Bíblia esse livro é o melhor de todos, e ao contrario do John Green , Jesus morreu por vocês , LEIAM ! . bj

      Excluir
  7. Concordo com vc joana tbem adorei o livro

    ResponderExcluir
  8. Concordo no que você disse sobre as pessoas idolatrarem o livro só porque todo mundo diz que é bom. Eu gostei muito, e no momento é um dos meus livros preferidos. Acho que eu não gostei apenas por causa do livro, mas por causa do momento que estou passando. Faz pouco tempo que perdi um parente meu por causa do cancêr e o livro me ajudou a aceitar melhor essa perda e pensar um pouco diferente sobre a morte.
    Bjs adoro seu blog!

    ResponderExcluir
  9. Oii Vickie, concordo com vc! Todos diziam que o livro era P-E-R-F-E-I-T-O e quando li, não achei nada disso. Tipo, mais da metade do livro a Hazel fica falando que não quer ficar com o Gus porque ela tem câncer........ E depois em um curtíssimo espaço de tempo acontece tudo, tipo ela fica com o Gus, ele conta pra ela o que ele tem e ..... (Tentando não dar Spoiler) Em fim, o livro inteiro nada acontece e de repente acontece

    ResponderExcluir
  10. Concordo com você Vickie, todos diziam que era O LIVRO e eu não achei nada disso. Tipo, o livro inteiro não acontece absolutamente nada e quase no fim a Hazel fica com o Gus e acontece TODO o resto (Tentando não dar spoiler), em fim, daria a mesma nota que você.
    --> Tbm aamo filmes, livros, música sou lovatic e tributo! :)) É a primeira vez que estou visitando o seu blog e me identifiquei bastante com você!! Abraços..

    ResponderExcluir
  11. Concordo plenamente, não achei o livro péssimo, mas também não achei nada demais. Gostei da história, mas os personagens me irritaram demais. A Hazel é realmente insuportável.

    ResponderExcluir
  12. Apesar de não ter gostado TANTO assim desse livro, acho que ele é um livro bom.
    Não é regra todo livro representar a realidade, cada autor escreve com uma sentimento, um pensamento, John Green optou por escrever de um jeito que faça com que o livro e os leitores saiam da realidade.
    Ele imaginou um mundo assim, e é ótimo que ele tenha escrito um livro expressando o que ele realmente imaginava.
    Esse é um livro muito bom, que se passa num lugar que não é real com personagens que também não são reais, mas que mesmo assim, parecem reais e normais num mundo diferente.

    ResponderExcluir
  13. Eu estava muito afim de ler A Culpa é das Estrelas, todos falavam muito bem dele, e então comprei, e terminei 1 dia depois de começar. Se você ainda esta em duvida se lê ou não, eu digo pra você ir agora para a livraria, biblioteca,baixar ou pegar emprestado, pois vale muito a pena. Não é uma leitura difícil ou chata, você lê bem rápido, mas não por ele ser bobo ou sem historia, mas por ser muito bem escrito, fazendo com que você não largue ele ate terminar. Não é um livro confuso, com assuntos profundos. É uma historia simples, que faz você perceber o lado das outras pessoas que tem uma vida mais complicada que a sua, abrindo sua visão do seu próprio universo particular. Sim, em varias partes ele cita coisas filosóficas (sem pagar de filosofo) ou palavras complicadas, o que é muito bom para conhecermos coisas novas e termos novos pensamentos. Meu professor disse que para filosofar é preciso sair de sua zona de conforto, e acho que isso se enquadrou direitinho na historia do livro. A historia pode não conter um assunto, digamos, profundo como outros livros, em partes, porem o assunto que ele trata e sim profundo. Pode não haver uma pessoa com todas as características da Hazel ou do Gus (oque pode acontecer, ou não, afinal o livro esta indicado como Ficção americana), porem existem varias outras pessoas no mundo que passam oque eles passam: terem câncer. Sim, é um assunto profundo e delicado, que John Green consegue escrever bem.

    Um livro maravilhosamente engraçado, triste, melancólico e lindo. Não tem como não se emocionar com a historia de Hazel e Augustus, portadores de Câncer que tiveram, por culpa das estrelas, suas vidas cruzadas numa grande historia de amor.

    ResponderExcluir